A meia-vampira Muriel
A viagem até Roma foi mais rápida. Ter me entendido com papai me deixou leve. Ele também parecia mais descontraído. Sentado com mamãe e Nahuel, na mesma fileira, passaram grande parte da viagem falando sobre os meio-irmãos do nosso amigo. Ele falou um pouco mais sobre Muriel, a meia-vampira que havia sido morta pelos Volturi no Brasil, juntamente com aquelas crianças.
"Muriel era como eu, não queria e nem tinha nada a ver com os planos de Johan. Mas vivia sob o domínio dele. Ela nasceu praticamente na mesma época que Soraya. Foi gerada de uma nativa de uma das ilhas das Bahamas, chamada Andros. Ali do ladinho de Cuba. Por não apresentar nenhum dom ou interesse por sua Ciência e planos de poder, Muriel acabou sendo usada por Johan como isca pra tentar me atrair pro lado dele. Ele queria que ela me seduzisse...". Nahuel foi interrompido pela indignação de mamãe: "Mas ela é sua meia-irmã. Isto seria incesto".
"Esses 'detalhes' morais são totalmente ignorados por Johan. Só que ele não teve sucesso nessa investida. Na verdade, Johan nunca se conformou com minha opção de vida, de eu preferir estar entre os índios, protegido pela selva. Ele considerava isso um 'desperdício'. Dizia que eu estava enterrando o 'presente' que havia me dado. Belo presente! - disse com desdém. "Ele me tirou o prazer de ter minha mãe ao meu lado pela eternidade, mas não me tirou a liberdade de escolher o que quero pra minha vida. Ainda me restam minha tia Huilen, meu povo e minha Iandara..." - nesse momento ele fez uma pausa. Devia estar com muita saudade da sua índia. Então, continuou:
"... Os pajés dizem que eu e minha tia fomos abençoados pelos deuses e que eles nos enviaram para cuidar da tribo. E é o que fazemos. Mas, como eu ia dizendo sobre Muriel, ela devia ter mais ou menos a idade de Renesmee quando foi enviado por Johan até mim. Só que o que ele não sabia, era que Muriel não era tão leal a ele. Logo que ela me encontrou contou todo o plano e me confidenciou que só se mantinha ao lado de Johan por não ter escolha e por medo. Quando nasceu, Muriel foi entregue a uma velha feiticeira da ilha, adepta do vudu, prática comum naquela região. Essa velha foi instruída por Johan a ser sua 'babá' até que se tornasse independente de maiores cuidados. Vocês sabem que nosso desenvolvimento é bem rápido. Bastaram quatro anos para que ele a pegasse de volta. Sua intenção era treiná-la para servir seus propósitos, mas logo viu que dali não tiraria muita coisa. Foi quando teve a 'brilhante' ideia de tentar nos unir. Muriel realmente era linda. Ela tinha uma beleza exótica. Pele cor de jambo, cabelos negros compridos, lábios grandes e carnudos e olhos verdes como esmeraldas. Herança genética de Johan, mas seus belos olhos não tinham brilho. Eles expressavam muita infelicidade. Sua esperança era que eu ficasse com ela, mas não para nos juntarmos a Johan e sim para nos unirmos contra ele. Confesso que fiquei tentado a aceitar a proposta, mas não quis me envolver naquilo. Mesmo não tendo contato ou qualquer sentimento por ele, sei que Johan é meu pai e isso basta. Muriel ficou frustrada com minha recusa e implorou que não falasse a ninguém sobre tudo o que havíamos conversado. Pediu que ao menos fôssemos amigos, pois ela precisava saber que existia alguém com quem poderia contar quando precisasse. É claro que isso não pude lhe negar. E ela se foi. Mantínhamos contato por e-mail e, depois da sua 'missão mal-sucedida', ela me disse que Johan a havia designado para uma nova tarefa: cuidar dos novatos. Ou seja, tornou-se 'babá' dos novos filhos de Johan. Era com essas crianças que ela estava quando  veio atrás de mim no Brasil e foi pega pelos Volturi. 
A última vez que nos falamos foi por telefone, como já contei. Ela estava só e Johan viajando em uma missão na Colômbia com seus outros três filhos. Muriel insistiu na história de acabarmos com Johan e me pareceu assustada com a suspeita de que estaria sendo vigiando pela "máfia vampira italiana". Me avisou que iria ao Brasil, mas pedi que não fosse. Me sinto culpado por sua morte. Eu devia tê-la ajudado de alguma forma. Talvez ela ainda estivesse viva"
"Ou você também estivesse morto. Se os Volturi os encontrasse juntos, certamente o teria matado. E ainda colocaria a sua tribo em risco", deduziu papai.
"É, você pode ter razão, mas isso não minimiza o que sinto."
A conversa se estendeu com papai falando mais sobre os Volturi para Nahuel, e sobre sua guarda. E, assim, as horas se passaram rápido. Chegamos à Roma conforme a previsão do comandante: às 23h50.

15 comentários:

  1. Anônimo disse...

    Nayara:Nossa,amei.Toda a historia esta linda.
    Peso permissão para Você Monica de me deixar usar a sua historia para fazer um trabalho de escola sobre livro virtuais.Beijos.  

  2. Monica Marinho disse...

    Claaaro que pode Nayara!!! Fique à vontade! Estou aqui para o que precisar! Bjão!  

  3. Tammy disse...

    Adorei monica....
    pena que ela morreu a Muriel...
    Ia ser muito legal se ela estivesse viva....
    Postei um novo capitulo....
    Bjokas  

  4. Nathy_bells disse...

    Cada vez mais perto dos Volturis ... e eu cada vez mais curiosa ... aaaa roximo capitulo pelamor  

  5. Monica Marinho disse...

    Tadinha da Muriel! Mas ela era tão infeliz, coitada! Mas sabe q tb fiquei c/ dó dela, Tammy? Essa é "A breve segunda vida de Muriel" (rs)  

  6. Dani disse...

    Eu simplesmente adoro sua fic, fico na expectativa do fim de semana, só para vir aqui ver seu novo post. Você esta de parabéns! Tenho só uma duvida e me corrige, por favor, se eu estiver errada, mas, acho que a tia do Nahuel é vampira, faz um tempinho que li amanhecer, mas, se não me engano ele a transformou quando nasceu, acho que aparece isso na parte em que ela conta a história dela aos Volturi. Bom eu tenho certeza, na verdade, acabei de olhar o livro. Me desculpa tá, só estou mostrando o que tem no livro.
    Parabens pela fic mais uma vez, você é incrivel!

    beijos  

  7. Monica Marinho disse...

    É Dani me parece q vc tem razão. Faz tempo q li Amanhecer e, apesar de estar sempre consultando alguns detalhes no livro, esse passou batido. Na vdd, emprestei meu livro, recentemente, e estou sem ele aqui agora. Mas a Internet tem tudo e, mais que, isso, tenho vcs pra me ajudar. Vou dar um jeito de corrigir isso. Valeu mesmo pelo toque. Bjão!  

  8. Leh!!!100%crepusculo(blog) disse...

    Sumi né?
    Tava estudando!!
    Mônica eu tô curiosaaaaa, toda vez penso que já vai acontecer o encontro com os VOLTURI!
    Um beijo!!
    ñ demora pra postar tá?
    Xau  

  9. Anônimo disse...

    celi
    posta mais rapido por favorrrrrr!  

  10. Anônimo disse...

    @giovannaabila :aa cada vez mais a fic ta mas interresante, não vivo mas sem o twilightemania , aa Monica meus parabeins pra voce *-*  

  11. Monica Marinho disse...

    Eu queria poder postar cada dia um capítulo da fic, Celi, mas meus compromissos não deixam. Mas aí tb já teria acabado a história né? =(  

  12. Monica Marinho disse...

    Brigadão, Giovana!!! Fico feliz de vc estar gostando... Bjks!  

  13. Anônimo disse...

    Thais: Meu Deus !!! Você escreve muito bem , estou amando tudo. Vc já postou o 45ª parte ,e que eu to muito curiosa e ainda não achei. Bjs amo o seu trabalho continue assim ...  

  14. Monica Marinho disse...

    Oi Thaís! Q booom q vc tá gostando. Por enquanto pára no 44. Mas amanhã é dia de capítulo novo. Toda sexta-feira posto uma nova parte da fic. Às vezes antes. É bom sempre dar uma olhada.
    Bjão!!!  

  15. jusara disse...

    oi,mônica! estou de volta.estive fora por um tempo, mas mesmo assim não via a hora de voltar a ler a fic. Menina está cada vez melhor ,que suspense...
    -Ai que vontade de ler tudo de uma vez,linda, continuo te seguindo, beijos dessa sua amiga, que curte esse blog.  


 

...